segunda-feira, 31 de março de 2008

Monstros na snaita... perdão... na sanita!

Numa da minhas navegações por estes oceanos virtuais descobri algo que irá, por certo, animar a casa de qualquer Slut que se preze. Se não animar a casa toda, pelo menos uma parte dela irá com toda a certeza ficar mais animada.

E não se trata só de animação. Tem um carácter muito útil também. Quantas vezes já pensou em expulsar os convivas de uma festa em casa e não sabe ao certo como o fazer? Não se quer ser inconveniente nem parecer mal educado e isso levanta um problema: como mostrar aos outros que já não são bem-vindos ou que já chegou a hora da Cinderela (ou seja, de se pisgarem dali pra fora)?

Ora hoje em dia esse processo está simplificado. Por uns simples $17,89 ($ = dólares), o que dá em números redondos uns 11€, pode-se adquirir um simpático monstro que se cola com ventosas nas paredes interiores da sanita. Assim, quando uma pessoa levanta a tampa recebe a visita deste nosso singelo amigo. Vem em duas cores, verde e vermelho (os adeptos do FCP irão ter que esperar por um monstro azul e branco). E os criadores desta magnífica obra de arte já prometeram que irão produzir, muito em breve, um terceiro monstro que gritará "Dá-me o telemóvel já!".


sexta-feira, 28 de março de 2008

quarta-feira, 26 de março de 2008

sábado, 22 de março de 2008

Mudança Pascal


Já dizia Camões que todo o mundo é composto de mudança. É verdade! Os tempos mudam e com eles muda tudo também. Cristianizaram-se festas pagãs ou já existentes noutras religiões por forma a uma maior aceitação de uma religião emergente. Mas isso aconteceu já há muito tempo e não é desse aspecto que aqui venho falar.

Venho falar da Páscoa e de como ela evoluiu ao longo do tempo. Mas não ao longo de um tempo qualquer. Ao longo do meu tempo.

Quando eu era criança a Páscoa funcionava um pouco como uma festa de comunhão entre padrinhos de baptismo e afilhados. Era costume os primeiros oferecerem aos segundos fios ou pulseiras em ouro (ou algo do género).

Depois nascem os dentes. E em vez dos adultos procurarem o melhor para a dentição dos seus infantes, surge no universo da criança duas coisas maravilhosas associadas à Páscoa: as amêndoas (de tipo francês) e os ovos de chocolate.

É nesta altura que o cérebro da criança se baralha todo ao mesmo tempo que a gula se delicia. Ora se o ovo vem da galinha, o que faz a figura de um coelho associado ao ovo? É a tentar responder a esta questão de supra pertinência para a mente infantil que podíamos observar magotes de crianças a analisar (no verdadeiro termo das quatro primeiras letras da palavra) os coelhos.

O tempo passa e a criança cresce. As amêndoas mantêm-se mas, por norma, os ovos desaparecem. No entanto, em compensação, surge o dinheiro. Que é o que as pessoas dão quando não sabem o que hão-de oferecer às outras e não querem ficar mal-vistas. O coelho também desaparece, deixa de ter a sua magia.

O hábito, a tradição e o ímpeto comercial tomam conta da coisa e a Páscoa passa a ser uma oportunidade para se ir passear. Ou para ir visitar parentes ou mesmo simplesmente para se ir para fora de casa porque simplesmente as pessoas não sabem o que hão-de fazer quando têm tempo livre. Então saem. Saem de casa porque todos os outros saem também. Não há dinheiro? Não faz mal. Há créditos de fácil acesso. Mais uma prestação a pagar e depois passa-se o resto do ano a comer azeitonas. Mas ao menos foi-se para fora. Aproveitou-se alguma coisa de útil? Se calhar nem por isso. Mas pode-se depois voltar ao local de trabalho e contar como o fim-de-semana foi passado em filas de trânsito, em locais apinhados de gente (uma canseira), numa correria doida. Mas ao menos foi-se para fora. O que iriam ficar as pessoas a fazer em casa? A aproveitar a companhia umas das outras e a conviverem? Naaaa...

Os tempos mudam...

quinta-feira, 20 de março de 2008

É uma Escola portuguesa com certeza

Hoje li no site de "O Público" uma notícia que, se por uma lado me deixou estupefacto, por outro em nada me surpreende. Aconteceu na Escola Secundária Carolina Michaelis, no Porto, e remete para a violência com que uma professora é agredida por parte de uma aluna, que se revolta devido à professora lhe ter tirado o telemóvel (que toda a gente sabe ser um material escolar muito necessário para ser usado em aula?).

A notícia remete para um vídeo que circula no Youtube e reza o seguinte:

«O episódio foi filmado por um dos estudantes presentes na sala, ouvindo-se repetidamente a aluna em causa a gritar para a professora: “Dá-me o telemóvel já”. Durante minutos os alunos nada fazem e limitam-se a assistir à cena em pé. Ouvem-se risos e alguém comenta: “Isto é demais, ouve lá!”. Ao fim de algum tempo, um grupo de alunos tenta separar as duas pessoas envolvidas. Aumenta a confusão e ouve-se um dos alunos a avisar: “Olha que a velha vai cair”, referindo-se à professora.»

Já várias vezes referi em conversas particulares que a grande maioria das pessoas não faz ideia do que é uma Escola em Portugal nos dias que correm. A Ministra da Educação, no Parlamento, escusa-se a responder às questões dos deputados eleitos pelos cidadão, dizendo que responde com obra feita. Será este o resultado da sua obra? É este o objectivo que se pretende para a dita reorganizaçao e qualificação do ensino em Portugal? É isto que vai aumentar a nossa produtividade e competitividade enquanto país?

Responsáveis pela Educação virão provavelmente a público dizer que situações destas são casos pontuais e que não correspondem à maioria das escolas. É certo que ainda não acontece em todas mas, principalmente nos grandes centros urbanos, cenas destas repetem-se quase quotidianamente em muitas das escolas, em que os professores, totalmente desprovidos da sua autoridade por decretos ministeriais, se vêem impossibilitados de reagir, porque desgraçado do professor que se lembrar de, numa situação destas, levantar a mão contra o aluno, pois leva em cima com um processo disciplinar e ainda vai acabar por ter que pedir desculpas públicas ao ofendido (entenda-se, na visão do Ministério, o aluno).

É triste! Profundamente triste! Não só pela reacção da aluna, mas principalmente pela atitude da turma em si. Mas enfim! De acordo com as "doutas" palavras da Senhora Ministra da Educação, os resultados escolares dos alunos são um ponto importante e do qual não abdica na imposta avaliação do desempenho docente. Que avaliação irá ter esta professora (porque imagino que aqueles alunos não sejam grandes génios)?

Mais triste ainda é o papel dos pais, que falham e se desligam completamente da educação dos seus filhos, não lhes transmitindo qualquer valor (mas sobre isso falarei num outro dia). E é esta a geração que um dia nos irá governar! Realmente só vejo uma saída para Portugal: EMIGRAR!

É o país que temos... e que merecemos?!?!


video

Cuidado com os ovos da Páscoa

video

quinta-feira, 13 de março de 2008

terça-feira, 11 de março de 2008

quinta-feira, 6 de março de 2008

Jardinagens

Há coisas neste país que me deixam verdadeiramente a pensar naquilo que se chama a alma da Nação. São episódios que, por muito que uma pessoa se debruce sobre eles, não deixam nunca de nos fascinar. Ainda ontem, quando ia a caminho do trabalho, me deparei com uma destas situações.

Vou eu muito bem dentro do meu bógas, quentinho, a ouvir o Café da Manhã na RFM, ainda meio zombie por ter que acordar cedo quando, ao passar por uma urbanização algo nova, com ar de condomínio, com vivendas num estilo razoavelmente moderno (daquelas que hoje em dia se constróem muito, pintadas de amarelo com os cunhais a branco, bem como as ombreiras das portas e janelas, dá pra ver o estilo não dá?), com um espaço relvado à frente.

Até agora nada de mais. Muitas vezes quem compra este tipo de vivendas são, por norma, pessoas reformadas ou à beira disso, pra quem a jardinagem acaba por ser um bonito passatempo.

Aquilo que me chamou a atenção, nos poucos segundos que tive disponíveis para poder observar, foi uma senhora, provavelmente a dona da casa, trajando uma bela bata abotoada da fascinante colecção Primavera/Inverno de 1967, protegendo o seu cucuruto com 1 chapéu apanamado que se adquire em qualquer feira ou mercado de rua, na parte de frente da casa trabalhando afincadamente na sua jardinagem.

E foi então que reparei que, no meio do espaço relvado, lá estavam elas! Por momentos ainda pensei que estava a ver um qualquer jardim barroco ao estilo francês. Mas não! Elas ali estavam, altivas, erguidas ao sol da manhã! Tugas como só elas sabem ser!

E a tal senhora velava por elas! Olhando-as com tal amor! Aquele calor no olhar fazia esquecer o frio matinal!

É isso mesmo. Para quê plantar rosas, begónias, túlipas, estrelícias ou camélias quando se pode simplesmente plantar couves?

terça-feira, 4 de março de 2008

Dreamgirls

Vi recentemente o filme "Dreamgirls" e posso dizer que fiquei fascinado. Não foi só a história em si que me fascinou, foram principalmente as músicas no filme, bem como as interpretações de pessoas que não são propriamente actrizes e que, para um filme de estreia, estiveram muitíssimo bem. Refiro-me, claro está à cantora Beyoncé, mas principalmente a Jennifer Hudson. É dela que deixo aqui o vídeo com uma das músicas do filme. Daquelas que nos fazem estremecer a pele!


video

sábado, 1 de março de 2008

Afastem as criancinhas

O novo filme do Batman está para estrear em breve nas salas de cinema nacionais, mas já se vão sabendo alguns nomes que vão protagonizar a história. O mão do velho inimigo Pinguim está de volta e vem mais aterradora do que alguma vez visto no grande ecrã, de tal forma que o filme vai ser considerado para maiores de 18 anos, tamanho é o medo que a personagem provoca e que pode ainda vir a cauar sérios danos psicológicos em quem assiste.

SLUTs and THE CITY conseguiu em exclusivo uma foto desta personagem tão arrepiante: a PINGUINA!