quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

I lost a friend...

Cantava uma vez Sérgio Godinho, com um brilhozinho nos olhos, que havia feito um amigo e que coisa mais bonita no mundo não havia. E é verdade! Aquele calor que sentimos quando fazemos uma nova amizade é algo inegualável!

Pior que perder um amor é perder um amigo! Eu neste ano perdi os dois! Perder um amigo é como perder uma parte de nós, como se algo nos fosse arrancado, fazendo-nos verter lágrimas de sangue, tamanha é a mágoa que se sente pela perda. É demasiado doloroso para tentar verbalizar, de forma correcta, aquilo que se sente quando se perde um amigo.

Afinal o que é um amigo?

Um amigo é um irmão; é a nossa bengala quando estamos coxos; é um ombro onde podemos chorar; é aquele abraço forte que nos recarrega as energias; é aquele que se senta ao nosso lado sem dizer palavra, apenas para não nos sentirmos sós; é aquele que nos aceita como somos; que gosta de nós por sermos como somos; é aquele que não tem medo de nos dizer "gosto de ti" ou "fazes-me falta"; é aquele que nos faz sentir uma pessoa melhor; é aquele que é atencioso connosco; é aquele que nos ajuda apenas e só porque quer o nosso bem; é aquele que procura a nossa companhia, porque ela o faz sentir bem; é aquele que se preocupa connosco, que nos "carrega" no pensamento. Um amigo é tudo isto e muito mais...

Perder um amigo é perder uma parte de nós! E nós ficamos impotentes enquanto uma força maior nos decepa um membro, ao mesmo tempo que tudo tentamos fazer para o evitar! É ter o brilho nos olhos, não provocado pela alegria de viver, mas pelo desenho de uma lágrima. Perder um amigo é ficarmos mais pobres!

Como diria Florbela, "Sinto hoje a alma cheia de tristeza!" e acrescenta mais no final:

«Ó chuva! Ó vento! Ó neve! Que tortura!
Gritem ao mundo inteiro esta amargura,
Digam isto que sinto que eu não posso!!...»

domingo, 27 de dezembro de 2009

Do livro de mágoas...

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

domingo, 20 de dezembro de 2009

Have yourself....

Um cover fantástico de uma canção lindíssima!

video

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

I dreamed a dream

E o sonho tornou-se realidade! O sonho da menina Susan concretizou-se! Celebrizada pelo programa televisivo "Britains got talent", Susan Boyle espantou os mais cépticos que se deixaram levar apenas pela sua aparência e imagem. Mas ela guardava dentro de si algo muito mais superior, uma humildade e, acima de tudo, uma voz!

É essa voz que podemos escutar no cd que foi agora editado. Intitulado "I dreamed a dream", o cd apresenta um conjunto de doze covers cantados por Susan Boyle e, considero que está muito bom. A selecção das músicas foi bem feita. Ela continua com uma boa voz e adequada às canções com que nos presenteia neste CD. Vale a pena ouvir. É propício à época que se aproxima! Gostei!

domingo, 6 de dezembro de 2009

Rejeições


Normalmente rejeita-se aquilo que não se gosta, aquilo que não presta, mas também muitas vezes se rejeita aquilo que não se sabe ou não se consegue apreciar.

Seja qual for o motivo... a rejeição dói sempre!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Onde nos leva o coração?


"Vai aonde te leva o coração".

É um livro assaz irritante! De um feminismo extremo que chega a ser revoltante! No entanto, apresenta alguns pedaços que vale a pena. Encontrei estes excertos que relatam bem o que se aproveita do livro:

"...não somos seres suspensos em bolas de sabão, que vagueiam felizes pelos ares; nas nossas vidas há um antes e um depois, e esse antes e esse depois são uma ratoeira para os nossos destinos, pousam-se sobre nós como uma rede se pousa sobre a presa.(...)

O destino possui todo o poder e o esforço da vontade não passa de um pretexto.(...)

...quando o caminho atrás de ti é mais comprido do que o que tens à tua frente, vês uma coisa que nunca tinhas visto antes: o caminho que percorreste não era a direito mas cheio de encruzilhadas, a cada passo havia uma seta que apontava para uma direcção diferente; dali partia um atalho, de acolá um carreiro cheio de ervas que se perdia nos bosques. Alguns desses desvios fizeste-os sem te aperceberes, outros nem sequer os viste; não sabes se os que não fizeste te levariam a um lugar melhor ou pior; não sabes, mas sentes pena. Podias fazer uma coisa e não fizeste, voltaste para trás em vez de seguir em frente.(...)

E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não te metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silêncio e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te e vai para onde ele te levar."

"...a principal qualidade do amor é a força..."

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

How to heal a broken heart?



Hoje sinto-me desfeito! Emocionalmente desfeito! Sinto-me perdido, sem saber ao certo para que lado me virar! Estou numa daquelas fazes da vida em que nada corre bem! Em que tudo parece se conjugar para pôr à prova as nossas forças.

Uma história que podia ser simples, do tipo: boy meets boy and they fall in love, complica-se tal como sempre se complica tudo aquilo que envolve sentimentos. Em parte a culpa é minha por alimentar esperanças! Em parte a culpa é do outro alguém que também alimentou esperanças (não sei se por não saber o que quer, se de forma involuntária).

É triste gostar de alguém que não nos quer! É uma das piores dores que se sente, que nos atinge bem dentro da alma, dentro da essência do que somos! É sempre mau lidar com a rejeição, especialmente quando ela surge de forma estranha, envolta em mensagens e atitudes dúbias, quase como se "brincassem" com os nossos sentimentos.

Digo isto porque por vezes é o que parece. Dizemos uma coisa e explicamos o que isso significa para nós! Do outro lado dizem-nos que compreendem mas, passado um tempo, voltam a usar os termos que pedimos para não usarem e que o outro sabe o que representa para nós! Falo aqui no plural porque creio não ser o único a passar por este tipo de sentimentos.

Não quero pensar mal de alguém de quem gosto profundamente! Não quero ser injusto! Tento compreender as coisas! Mas no fundo tudo se resume à famosa frase do "he's just not that into you"! E isso dói! É uma dor que corrói, que nos aperta e nos revira a alma!

Tentamos não fazer a coisa errada para não estragar sabe lá Deus o quê! Depois descobrimos toques de insensibilidade e de como o outro apenas está virado para o seu umbigo, embora se mostre com um discurso de "evolução". Sabendo o que sentimos, mesmo assim, de uma forma insensível, quase desumana, quase sem compaixão, nos diz "um dia que conhecer alguém que sinta que é algo sério digo-te e até to apresento"! E eu lá quero conhecer aquele que tem/representa aquilo que eu não tive ou não representei para o outro? Quem é que consegue tão rapidamente "seguir em frente"? Só mesmo quem não gostou! E isso é o que depois nos entristece mais e em que colocamos em causa tudo o que nos foi dito no passado, tudo o que aconteceu: foi verdade mesmo? Foi sentido? Ou não passou tudo de uma ilusão que construímos e o outro alimentou!

Sinto-me mal! Sinto-me triste! Sinto-me arrasado por dentro! Estou carente! Preciso de um abraço! De um abraço forte! De um abraço sentido! E não tenho quem mo dê! E choro! Choro e volto a chorar! Choro por mim, choro por ele, choro por nós ou pela promessa do que podíamos ser ou ter sido! Chega a um ponto em que apenas choro!

E mesmo assim continuo a gostar! Continuo a sentir-me ligado a ele, como da primeira vez! E é coisa rara em mim isso! E volta novamente a mágoa! Desta vez pelo outro não ser capaz de ver o quão especial sou! O quão bom poderia ser para ele! Mas acabou...

Como se cura um coração partido? Dizem-nos que com o tempo, que o tempo tudo cura! E é verdade! O tempo cura, mas o tempo também desgasta! O tempo também nos faz deixar de acreditar, faz-nos ir perdendo a fé! Mas é verdade que é esse o esquema: um dia chora-se, no dia a seguir chora-se um pouco menos, no outro ainda um pouco menos, até que se deixa de chorar!

Algures na net li isto:

«Com o tempo, percebes que para ser feliz com uma outra pessoa, precisas em primeiro lugar, de não precisar dela. Percebes também que aquele que amas (ou que achas que amas) e que não quer nada contigo, não é definitivamente o "alguém" da tua vida. Aprendes a gostar de ti, a cuidar-te e principalmente, a gostar de quem também gosta de ti. O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até ele. Assim, no final das contas, vais achar não quem estavas à procura, mas quem estava a procurar por ti!»

Com o tempo também se aprende a duvidar...